sexta-feira, 17 de julho de 2015

DE PERNAMBUCO PARA O MUNDO... OG DE SOUZA


Campeão do best trick, melhor manobra, na Alemanha, em ocasião campeonato de maior prestígio dentre todos; recebeu de Tony Hawk o troféu pelo 2º lugar que o maior de todos tinha ganho, também na Alemanha; aclamado em Praga, República Tcheca, por longos minutos; nono lugar no badalado Tampa Pro, com uma volta perfeita; foi cartaz do Monster Mastership de 2000, a etapa mais tradicional do skate mundial; video part elogiadíssima na emblemática 411VM, campeão, no ano de 92, no lendário campeonato dos “Correios”; tudo isso é OG de Souza. Nem Josué de Castro poderia imaginar, em seu livro Geografia da Fome, que o “Homem Caranguejo” iria conquistar o mundo com o seu carisma e skate indignado. O pai de Og Filho e Ana Júlia trás consigo admiração de Augusto César (Cegueta) até Bob Burnquist, de Tony Hawk até Tízil, Ele canaliza pasmos olhares para o seu atrativo skate. Por honra e mérito, o maior dos pernambucanos foi homenageado na SGS (Sessão Geriátrica de Skate) em uma grande festa, onde a geração mais nova ficou extasiada ao vê-lo andar forte pela primeira vez. Por todas suas conquistas e circunstâncias, nós sabemos que Og de Souza é um enorme patrimônio de Pernambucano.

1 – Thronn (Lendário skatista) – Você como um ícone do skate brasileiro fale do profissionalismo em Recife e no Brasil. Abraços aos malucos de Recife. 
OG. Thromm fez essa pergunta? O profissionalismo aqui em Recife, pra falar a verdade, só aconteceu comigo né. Porque dificilmente as marcas daqui vão profissionalizar alguém. Até mesmo porque tem um monopólio de uma certa marca, que não preciso falar o nome, pega o cara já PRO. Ela não promove o cara a ser profissional. Isso é o que rola aqui em Recife. E no Brasil é diferente.

 2 – Josa (Senhor Ollie e Artesão) - Quando Og de Souza vai voltar a andar de skate?
OG. Josa, Meu Brother!!! Rá, rá, rá, ele pergunta isso pra mim. Ele tem maior idade que eu. Ainda dou o meu rolé. Um abraço pra Josa.

3 – Patrício (Pai de todo nós) – Por que Og de Souza não criou uma marca sua ou mesmo uma empresa no mercado do skate, já que vários caras de sua época criaram? 
OG. Patrício é das antigas, Véio! Eu, com a experiência que tenho, abrir uma loja… vou quebrar. Vai chegar um monte de brother, tá ligado, comprar e parcelar (risos) e não vai pagar, rá, rá, rá… É melhor eu não ter loja.

4 – Rato (Mychel de Lima) – Primeiramente gostaria de manda um salve pra todos. Og, como foi começar a andar de skate tendo sua deficiência?
OG. Nosso Amigo Rato… diretamente de lá é? Foi difícil. Quando a galera me via todo mundo ficava naquela né: “o cara já é deficiente, andando só com os braços, tá ali em cima do skate, tá querendo se quebrar mais ainda”. Mas o amor pelo esporte foi o que me fez evoluir.

5 – Saulo (Artista, Tatuador, etc) - Og de Souza, quando eu vi vc pela primeira fez andando de skate, nos correios, eu fiquei impressionado. Eu vi um grind five-o na borda de pedra . Fiquei pasmo com aquilo tudo (um deficiente físico fazendo coisas que muitos não faziam..). O que você sente em ver os olhos dos observadores populares e skaters extasiados e pasmos vendo mais nao acreditando no que estão vendo?
 OG. Saulo Travasso! Isso aí é o que motiva. Vê o impacto que dá no ser humano que está perto, ao meu lado, motiva e me faz dá mais manobras, a andar no gás. A galera me vê andando e já serve de estímulo. Tem o cara que não gosta de fazer porra nenhuma, ele é preguiçoso, nem pedala de bike, mas me vê , tipo andando de skate, já é alguma coisa. A parada é essa, tá ligado.

6 – Capacete (Diretamente da Austrália). Estava em minha casa (Austrália) liguei a TV e vir uma reportagem sobre você, foi bem doido. Sei dos seus feitos na Alemanhã e em Praga (República Tcheca), contudo, queria que você avaliasse sua boa performance em Tampa, é rocha, OG!
OG. Rá, rá… Capacete! Porra, Brother, Alemanha e Praga não foi tão… eu não me sair tão bem quanto em Tampa. Em Tampa eu parecia uma maquininha, não errava nada, Véio. Conseguir fazer a final no meio de vários profissionais que só via em vídeo, tá ligado. Fiquei em nono, entre os dez, e consegui acertar a minha volta todinha, Brother.

7 – Gáudio Jorge (Morcegão). Sendo o Skate um esporte composto por diversas modalidades (e se nos fosse possível voltar no tempo), ao fazer uma análise retrospectiva na sua relação “overall” com o carrinho, existe alguma coisa na sua trajetória como atleta que faria diferente? Que sente falta de não ter feito
 OG. Morcegão?! Eu não sei, assim, o que poderia mudar. Nesse trajeto de skate, para mim foi tudo massa, não tenho nada pra voltar e refazer. Agora se eu tivesse de fazer alguma coisa para incrementar mais, tá ligado, eu teria me profissionalizado há mais tempo. 

8 – Tropeço (Ibura Power e ESCAPE). Qual o sentimento de ser inspiração pra tanta gente?
OG. Trô! Porra, Brother! Isso aí eu explico pelo amor ao esporte, tá ligado. Eu amo muito o que faço. É o que tá acontecendo mais, eu vou na pista, quase todo os dias, mas nem todo dia eu ando. Porém quando ando, faço com qualidade.

9 – Magui (A Besterinha). Quais foram as influências de OG e qual o skatista pernambucano que mais lhe impressionou? 
OG. A mega bimba! Os que me inspiraram foram Bufa, Josa, Morcegão, Patrício, tá ligado. A gente andava junto sempre, sempre fazendo session. Eu já dava flip, kick flip 360, nose pick em todo canto. Era um skate mais avançado com eles, me inspiraram muito, Morcegão e Patrício principalmente. E o cara que mais andou foi Dinho. Mas não foi mais pra frente. Eu pensei que ele fosse o cara que iria desbancar tudinho. Começou e parou, tinha uma base da porra, se garantia.

10 – Mario (Sugestive). OG, você considera que perdeu alguma oportunidade que o skate tinha lhe proporcionado? 
OG. Foi quando eu ia pra São Paulo correr o meu primeiro campeonato da UBS, isso há muito tempo, tá ligado. Então aconteceu um “imprevisto” e no outro dia era a viagem. Adiei por aproximadamente 10 anos. Depois do ocorrido eu continuei a andar de skate mais não tive a mesma oportunidade, tá ligado, aí fudeu!

11 – Robson Pinheiro (Clamp/Control/Apex). Todas as coisas que você aprendeu em sua vida como skatista qual a lição mais importante? 
OG. Compartilhar tudo e ser humilde né, Véio; essa e a parada. Você não ganha nada sendo nariz em pé, botando banca. Tem que ser humilde.

12- André Fly (Amigos das Antigas) Por que você prefere viver em Pernambuco quando já teve diversas chances de morar em outros estados e países?
OG. Fly, catita véi, ré, ré… Eu amo minhas áreas, Meu Irmão. Eu vou pros Estados Unidos ao chegar sigo para California, San Diego, casa do Bob Burnquist, e pá, tudinho. Meu Irmão, um mês, dois meses no máximo, aí sinto saudade de minha praia, minha família e meus filhos, tá ligado. Ficar por aqui mesmo, andar de skate nas áreas. Se precisar viajar pra fazer um trampo, eu vou. Nada de morar em outro lugar… no máximo em Fortaleza, já morei lá, altas gatas. O barato é… OG é top dez lá, rá, rá, rá… 

13 – Ed Scaner (Vice-Presidente da CBSK). Qual lembrança você tem da etapa do Circuito Nordestino em que fez uma demo com Nilton Urina, no clube internacional. E ainda lembra das dificuldades em uma demo em Serra Talhada? 
OG. Eita o Ed! Lembrar eu num lembro não, mas… o campeonato no Internacional foi massa. A gente fez uma sessão irada, gente pra caralho. No dia, tanto eu quanto o Nilton estavamos inspirados, tá ligado, ficou legal. 

14 – Inho (Talento, Nova Geração). Onde tá aquela força de vontade que um dia você nos mostrou e provou que com ela você supera? 
OG. Tenórinho! Ela continua a mesma, Brother. Eu não tenho mais aquela RIP de tá em campeonato, então tá andando melhor que os outros. Skate é isso, Véio, depois de um certo tempo você aprende que não tem que ganhar e sim se satisfazer com ele. Tipo, ele é um lance que lhe dá prazer. Você vai na pista pensando em duas manobras, acerta elas, massa, Brother. Não é como antes que eu ia pra pista dá um arsenal de manobras, tinha que tirar maior onda. Não precisa. Além do quê eu tô véi, Meu Irmão. 

15 – Adelmo Jr (Skatista Profissional/VIVA/R.A.S.) A primeira vez que vir você andar eu tinha 12 anos em um campeonato em Campina Grande. Lembro que fiquei impressionado como você já andava bem de skate. Na época tinha um spine de transição e você dava uns 360 de back na quina. Muita gente tem referência de alguém, gostaria de saber em que você se espelhou e como era o processo de aprender manobras.
OG. Et! Brother, pra falar a verdade o meu estilo é próprio, tá ligado. Eu não tive em quem me espelhar e sim me adaptar em cima do skate com as manobras, essa era a onda. O cara se espelha por que vê alguns que andam legal. Ai você pensa “queria acertar aquilo que o cara dá num estilo da poxa”, tá ligado. Fui fazendo o meu, Véio. Até mesmo porque eu ando com os braços, é diferente né.



Og de Souza é um enorme patrimônio de Pernambucano - Andando de skate onde ninguém se atreveu

"Skate é isso, Véio, depois de um certo tempo você aprende que não tem que ganhar e sim se satisfazer com ele. Tipo, ele é um lance que lhe dá prazer. "

Deixando sua marca (Mãos) na calçada da fama da ESPN Brasil


Alguns feitos de Og impressionam até hoje... Descer de Grind esse corrimão do Ginásio Geraldão no  Recife, é um deles.


Na época de Amador, dando um rolé com os amigos na Mini-ramp de Paratibe nos anos 90


Três importantes capas de Revistas na carreira (Tribo Skate/Brasil 2000, Monster Skateboard/Alemanha 1999, Grind/Peru 2013) 

 Arte publicada na Revista Grind Magazine


Respeitado onde chega


Grind durante o X-Games Brasil em Foz do Iguaçu 

"Se precisar viajar pra fazer um trampo, eu vou. Nada de morar em outro lugar, um mês, dois meses no máximo, aí sinto saudade de minha praia, minha família e meus filhos, tá ligado"


Propaganda de lançamento de seu Pro Model pela Drop Dead


"Quando a galera me via todo mundo ficava naquela né: “o cara já é deficiente, andando só com os braços, tá ali em cima do skate, tá querendo se quebrar mais ainda”


Ai você pensa “queria acertar aquilo que o cara dá num estilo da poxa”, tá ligado. Fui fazendo o meu, Véio. Até mesmo porque eu ando com os braços, é diferente né.


Uma das primeiras matérias como skatista Profissional - Tribo Skate#58 ano 2000

Ao lado do grande amigo André Fly, riscando o facão literalmente durante o Circuito Brasileiro de Skate Profissional em 2007 no Ginásio Geraldão


Sendo homenageado durante a Sessão Geriátrica de skate em Pernambuco 

Alguns Pro-Models lançados (Acervo Mario Sugestive)

"Pra falar a verdade o meu estilo é próprio, tá ligado. Eu não tive em quem me espelhar e sim me adaptar em cima do skate com as manobras"

Sessão na Ilha de Fernando de Noronha - Matéria Tribo Skate(2010)

"dificilmente as marcas daqui vão profissionalizar alguém. Até mesmo porque tem um monopólio de uma certa marca"


Sessão em casa... Rolé no Oyama Skatepark na orla de Olinda

Puxando o Go Skate Day Recife


Agradecimentos de Og de Souza


Matéria : Alberlando Lau
Seleção de Fotos: Henrique HC
Fotos: Fotógrafos diversos.

14 comentários:

  1. grande og conheceu Nyjah caraca vey gostei da matéria muiti bem relatado sua história parabéns og

    ResponderExcluir
  2. picos e pistas de novo estar de parabens .. meus nobres vcs sao foda !! espero que nao acabe e que cada fez mais faça oque de na cabeça que agente estara sempre do seu lado !! parabens picos e pistas e familia lau henrique HC magui e toda trupe e toda familia d skt de pernambuc !! skateboards or die

    ResponderExcluir
  3. Ser amigo de alguém que você foi fan por muitos anos é algo inesperado e gratificante. Ter ajudado Lau na construção dessa matéria me deixou bastante eufórico, pois seria como uma pequena forma de retribuir tudo que Og fez e ainda faz pelo skate, influenciando antigas e novas gerações com sua força de vontade e estilo único de se divertir no carrinho viciante (Como diz Lau). Mostrando que na vida quem dita o limite do possível é você.... Obrigado Og pela inspiração e Lau pela matéria.

    ResponderExcluir
  4. Caracaaaa, Parabéns Picos E Pistas Skate por faser essa matéria muitoo fodaaa... Meu mano Og de Souza tamo juntooo!! Vc é o cara mano amo muito vc mano tamo junto sempre!!

    ResponderExcluir
  5. Conheci Og De Souza começo do ano de 1989 me impressionou e a todos que o viam andando de Skate é inspiração daquela epoca ate hoje Bela matéria Picos e Pista excelente texto Lau

    ResponderExcluir
  6. Bela material com a lenda viva do skate OG DE SOUZA! Parabéns P&P e mano Lau!

    ResponderExcluir
  7. materia du caralho.....

    ResponderExcluir
  8. Uma matéria sobre Og de Souza muita coragem. E de extrema qualidade para poder transparecer o que Og transmite em Skate e Superação.
    Parabéns pelos envolvidos e mais ainda a Og.

    ResponderExcluir
  9. Foi uma tur de france realizar esse trabalho. Sou grato a todos pela significante contribuição. Henrique se superou na programação visual e na busca por imagens, obrigado. E por mais caprichada que possa parecer essa homenagem, ainda fica a quem frente a grandiosidade do personagem Og de Souza.

    LAU

    ResponderExcluir
  10. A primeira vez que vi Og foi em 1992, ele mandando 360 bs no parque do povo em Campina Grande, o cara sempre será o cara! máximo respeito ao Og. Parabéns pela valorização do patrimônio do skate PE

    ResponderExcluir
  11. Não, cara, o Nyjah conheceu o caranguejo do nordeste...

    ResponderExcluir
  12. Aproveitando a oportunidade, quero que a galera toda que acompanha o Blog e curti sk8, estou realizando um torneio em Vitória de Santo Antão, para divulgar a projeto "skate na praça" , o qual estou lutando pra que no futuro possamos construir uma pista de skate na praça da Bela Vista, então conto com todos vcs para entrar em contato pra comparecer no dia do evento 03 de setembro de 2016 , sábado as h.15:00 na praça da matriz, em Vitória.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. manda um email hcskate@hotmail.com com cartaz e informações ou fala comigo pelo Facebook... Henrique Cesar HC

      Excluir