segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

EM CLIMA DE FINAL DE ANO, PICOS E PISTAS APRESENTA: SAULO NEVES !!!


Saulo Neves Sousa Travassos, 36 anos, Este é o nome completo da testemunha ocular do Esqueite Pernambucano. Persona de inclinação várias, Saulo, simplesmente, é artista plástico, fabrica instrumentos musicais, praieiro experiente, abraça o surf nas horas vagas, moshman aposentado, projecionista de cinema itinerante, ufa, e por fim, encontra-se tatuando a “malucada” com propriedade. Na música, Ele já passou pelo Trash Metal, Punk  Rock, Hardcore e atualmente  o reggae é sua trilha sonora. Esqueitista que presenciou e viveu com intensidade várias gerações do nosso Skate, Saulo, sempre sereno e de bem a com a vida, é dono de um Skate agressivo e veloz que influenciou bastante gente. Por essa louvável e distinta bagagem, cheia de boas estórias do skate, que o Picos e Pistas se declina e reverência Saulo Neves, que assevera: “se tudo não dê certo, viro hippie”.


PP - Seja bem vindo ao Picos e Pistas. Como, onde e quando isso tudo começou, Saulo?
SN – O primeiro contato com o skate foi com o que meu pai me deu, em 1986, lá na Vila Pinheiro. Tudo começou quando Geovane botou a galera mesmo pra andar,  e Patrício sempre passava de ônibus.
PP - Há quantos anos em cima, embaixo e sempre do lado do “Carrinho”?
SN - Uma porrada de anos. Eu conto assim: desde 15 anos. Eu era guri, né.
PP - Quem influenciou seu skate?
SN – São muitos. Og de Souza, Morcegão, Ruan e Marcelo Bobeirinha. Quando Ruan e Morcegão chegavam na mini ramp de BV, paravam o tempo.
PP -  Sabemos que Você tem mosh antológicos  em shows memoráveis. Qual o mais hardcore, o que mais repercutiu?
SN – O do show do Hanagorik, no Abril Pro Rock, foi doideira. Mas o mais doido mesmo foi o de Chico Science e Nação Zumbi, em BV, que eu fui preso, rá, rá... O delegado perguntou: por que você pulou nas cabeças dos outros? Eu falei “não delegado, isso faz parte do show, isso é um mosh, só que os policiais não entenderam”, maior onda! Luciano do Valle falou e tudo mais.
PP - Sua relação com as artes é bem estreita.  É tatuagem, é instrumento musical, é talha na madeira, é música, é cinema, é criação de troféus representativos, é a “mulesta dos cachorros”. Qual das artes pulsa mais forte em Saulo Neves?
SN - Antes era talha e construção de instrumento musical. Tenho quinze instrumentos em casa. Agora cair de cabeça no projeto tattoo e vai ser para o resto da vida.  Agora só evolução, quanto mais aprendendo, melhor; é uma Arte. Desde que eu trabalhei nas lojas de Skate sempre tinha um tatuador, então eu convivia, né. Poucas pessoas sabiam que eu desenhava.
PP - Escolha apenas um “Pico” para o Picos e Pistas. Veja as sugestões: “Correios”, Boa Viagem ou Rua da Aurora.
SN – Um “pico” só é foda, Véi. Nos “Correios” eu aprendi coisa pra carai, vir o que era o skate. Josa dando os ollão e Marcelo Agra andando. E em Boa Viagem aprendi muito coisa, mini ramp e muito street, street; em BV começou a surgi as rampas ai a galera começou a deserdar os “Correios”, invadiram Boa Viagem.
PP - Como era sua relação com os garotos do skate de Boa Viagem?
SN – Eles tinham medo de mim e de Geovane, no começo. Era eu e Henrique os mais velhos, né. Eu que colei com eles, era muita doidera lá em Boa Viagem.
PP – Perguntinha do Faustão. Saudades de Henrique Brayner, Saulo?   
SN – Claro né, Véi! O cara era Brother da gente. Andava eu e ele juntos, né. Altas seasons.
PP - Doações de peças de skate,   guarida aos desabrigados, alimentação aos famintos. Por que ajudar esses “abençoados” skatistas?
SN – Era o movimento né, Veí. Eu viajava pra correr campeonato com Adriano, ele viajava mais do que eu, sempre tinha lugar pra nós. Aí vinha “neguinho” de fora, a galera de Belém, a galera do Amazônia; muita gente botei lá em casa, Natal, João Pessoa. Meu Irmão, você não sabe como conheci Kabecinha (de Natal), Brother. Eu tava com a namorada, no prédio dela, na av. Conselheiro Aguiar, isso uma hora da manhã, agente namorando e eu de costa pra rua. Ela tava virada pra rua e disse, “oxi, um skatista passando ali!”. Quando olhei um doido grandão passando, eu digo oxi, para aê, Véi. Corri, abrir o portão e fui ao encontro dele. Perguntei tais indo pra onde, anda de skate é? Aí ele falou “estou atrás de um cara aqui que anda e o nome dele é Saulo. Meu Irmão, eu falei é mesmo é!? Kabecinha disse “é a galera disse que eu viesse atrás dele pra arrumar hospedagem”. Eu olhei pra “Doida” assim... Sou eu, “Doido”, Saulo. O “Bicho” nem acreditou.
PP – Eita Saulo, aponte um skatista, de nosso estado, como o melhor de todos os tempos?
SN – É foda de se responder!!! Tem que dividir. Aconteceram três décadas, né. Agra e Morcegão enchiam olhos. Pra os 2000, pernambucano foi Adriano Caldas. E agora é Vitor Bob. Desses atuais aí tudinho, Bob é o mais técnico e o mais punk, Véi.
PP - Qual foi a melhor fase de Saulo em cima do “Carrinho Viciante”?
SN - Foi em Boa Viagem, lá.
PP - Você é o Speed Racer, Schumacher e Usain Bolt do Skate agora, é?
SN – Rá, rá, nada! Foi dois campeonatos que eu corri aí. Mas não vou correr mais não, oh, machuquei a perna. Fui eu que confeccionei os troféus do evento.
PP -  E esse cenário atual do Skate pernambucano?
SN – Tá do caralho. Acho que não pode parar, não. Quanto mais eventos melhor. A galera criticou aí, que eu to ligado.  Os campeonatos que a 3OP faz é irado, Velho. É um melhor que o outro. Só quem ganha é o skate.
PP - Para finalizar, deixa um aviso para os iniciantes não desandarem no skate e nem na vida.
SN – Andar de skate e ficar distante das drogas. Pode ser bom e divertido, mas estraga com a capacidade do cara né, Velho. E o crack tá arrombando tudo, tem que se ligar e ficar de fora.


Skatepark localizado ao lado de um Parque Aquático na Bahia, começo dos ano 90 

Backside Ollie ao lado do amigo Lau 

O Street em Boa Viagem foram marcantes  


Backside Noseslide no banco da pracinha de BV 

Backside na Pracinha de BV 


Boneless durante sua volta no campeonato  do Centro Recreativo Ignês Andreazza, metade dos anos 90 


Kick Flip 360 e Backside Noseslide durante o Campeonato na Praça Euterpe em Caruaru, metade dos anos 90 


Saulo e os amigos de longa data na Aurora 


Além de fabricar os instrumentos, Saulo também os toca, apresentação no Pátio de São Pedro 


Na mini-ramp da Curinga localizada dentro do Extinto Mercado Pop, Saulo voava alto e parecia que estava dando uma demo 



Graças a Akira Matsui, Saulo e a Mini-ramp de BV foram parar na contracapa de um livro de 8ª série no Japão


Ao lado dos amigos Akira Matsui e Adriano Caldas 

Com os amigos na Aurora, Franja e Anderson Negão 


Em suas viagens a trabalho, nunca esquecia de levar o skate e conhecer novos picos 

No trabalho como Projetista do Cinema itinerante conheceu várias cidade do interior do Brasil  


Voando nas transições do recém inaugurado skatepark de Porto de Galinhas 

Só sangue bom no Skatepark da Caxangá


Saulo dominava como ninguém as transições da Mini-ramp de BV  


Matéria do Jornal Folha de Pernambuco em 1999 

Primeiro Push Race Recife 

Segundo Push Race Recife 


Pódio na Cateforia Master do Push Race


Saulo desenrolado com carrinhos e carrões  


A Mini-ramp de Boa Viagem foi, é e sempre será a segunda casa de Saulo 

Com os amigos durante a festa do Go Skate Day Recife 2011 



Pedimos pra o Saulo fazer uma foto novinha para a matéria e o cara nem pensou duas vezes, Ollão na escadaria do Parque do Carmo em Olinda


Fotos: Antonio Baiano, acervo Patricio (skatemaster), Acervo pessoal Saulo Neves, acervo Henrique (Picos e Pistas) 

16 comentários:

  1. Muito massa, tava avendo a foto da mini ramp do mercado pop, foi lá na frente de um monte de gente que dropei uma quarter pela primeira vez... muito massa :D
    Parabéns pela entrevista, to sentindo que esse blog vai virar uma revista :D

    ResponderExcluir
  2. saulo neves s. travassos24 de dezembro de 2012 06:03

    style man !! iradooo a iniciativa de vcs,Picos e pistas ta de parabens nao pela materia mais pela atitude que vcs fazem pelo skate pernambucano. espero que nao pare, recife tem muitos skatista e muitas historia mano, eu sou apenas mais um de varios que conhecemos e admiramos.quero deixar aqui um abrç p/ meus amigos e pricipalmente p/ lau e familia, henrique HC e familia, M.agra e familia ,thiago kbecinha e familia, cristiam paulista e familia,patricio e familia esse tem Historia p/ contar, og e familia , magui e familia e todos os irmao de rua e mar(sao muitos)...... nao importa a critica ou os que querem atrapalhar, oque vcs fazem pelo skate, mesmo tirado do bolso e do suor sem pensar a quem, essa atitude nao tem preço, nao estou correndo campeonato comedo de me machucar( coisa de idade )admiro muito os camp. pena que nao estou no ritimo p/ correr . mais estar ai a dica fazer o bem sei olhar a quem !!! muita paz muita luz e muito skateboards em nossas vidas !!!! picos e pista p/ sempre !!! atitude e o que vale !!!abrç de coraçao !!! saulo neves .

    ResponderExcluir
  3. Meu skate aumentou a velocidade por conta de Saulo, fui influenciado por ele sim. Homenagem mais do que merecida a um “Doido” que fez muito pelo esqueite sem cobrar reconhecimento por isso. Saulo representou o elo entre os abastados de BV e nós favelados. São várias estórias ao lado dele. Eu ia pra BV à tarde, jantava na casa de Saulo e se danava pela noite a andar de esqueite. Houve uma vez nos “Correios” repleto de skaters quando “Moreno” (fotógrafo) ia chegando sossegado, então, Saulo percebeu que um Doido ia efetuar um bote no chapéu de Moreno: “Oxi, o Doido vai tomar o chapéu de Moreno”, gritou Saulo. De fato o cara deu bote e correu, muita gente correu atrás, resgatamos com direito a uma pequena massagem. Já em outra oportunidade, na rua da Aurora, meados dos anos 90, houve uma abordagem policial. Saulo toma a frente e com autoridade fala: “aqui é tudo atleta”. De certa forma me sinto parte desta homenagem. E no mais, obrigado SAULO NEVES pelas oportunidades, Ícone do Nosso Esqueite.


    LAU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saulo doido foi referencia pra galera, Ja dizia: tem que andar vedado, veda doido, sai da marcha lenta!

      Excluir
  4. Porra, fico muito contente em ter as histórias ou "estórias" como diz Lau, desses ícones contatas aqui neste pequeno espaço. Digo pequeno porque comparado com a enorme histórias desses skatistas pernambucanos e seus feitos para e com o skate, o blog torna-se apenas uma pequenina válvula de escape para sabermos mais sobre eles.
    Saulo tem o mérito de ser respeitado por skatistas de diferentes idades e modalidades, pois o cara é liberto de preconceitos que tanto assola nosso carrinho. Lembro muito bem que tinha medo da voz de Saulo, quando eu estava aprendendo a dropar na mini-ramp de BV e escutava aquele cara grande de voz grave "Ei doido, vai dropar ou ficar alisando?" Claro que eu dropava, mas de medo...hehehehehehh Lembro também quando depois de um tempo, eu já mais velho troquei uma ideia com Saulo na Aurora, porra me sentia um cara muito foda, pois estava conversando com o cara que fez sentir duas sensação quando mais jovem, o medo e a admiração de ver Saulo andando, com velocidade e altura, sendo respeitado pelo seu skate e pessoa que era, e que hoje em dia eu sei, sempre será... Saulo doido, o cara do skate, das ruas, da música, do Surf, do Long, da fumaça, da Tattoo, do cinema, das praias...........

    ResponderExcluir
  5. Bora Saulo . Doido q e doido e doido rapa kkkk vamo fazer umas sessoes logo mais tu vai v so . BV foi a melhor fase do skate na minha Vida sem sombra de duvidas tambem .

    ResponderExcluir
  6. Doido era todo mundo que andava em bv, saulo doido, henrique doido, capacete era doido, magui é doido, joão doido, boca brabo doido, patricio velho doido. a turma saia daqui do ibura vedando pra andar na pracinha e passava o dia todo lá, o tempo do skate diversão.

    ResponderExcluir
  7. Muito boa a matéria com uma ilustre figura do skate.
    Só não por que ele não quer tatuar magui e a me.
    Ass.: Carlinhos

    ResponderExcluir
  8. Porra, muito massa! Sem falar que é sempre bom saber como era o skate antigamente. Hoje em dia, a galera mais nova, simplesmente andam de skate mas não fazem ideia de como era o skate no começo de tudo e da importância que cada skatista mais antigo teve e tem para o skate no estado.
    E mais uma vez deixo aqui meu carinho, admiração e reconhecimento ao P&P, que com muita atitude, vão abrindo o baú e nos proporcionando histórias como essa!

    Ass: Felipe Henrique

    ResponderExcluir
  9. Parabéns a equipe PICOS E PISTAS pela ótima entrevista com o Saulo, pois o cara é uma figura marcante do ESQUEITE Pernambucano. Lembro bem do tempo de BV(Boa Viagem) Onde o Saulo andava com muito estilo e velocidade. Lembro de uma vez que o Saulo foi desafiado por um coroa que passava pela pracinha de BV, a pular um cavalete de trânsito muito auto, e se conseguisse ganharia uma garrafa de whisky! será que o Saulo lembra dessa?

    Por Anderson Trow

    ResponderExcluir
  10. bons tempos!
    BV foda demais!
    \,,/

    ass: NataN

    ResponderExcluir
  11. Maximo respeito ao P&P, sempre com matérias fod@! sobre pessoas que vivem, e fazem o skate acontecer.
    Quanto ao Saulo, apesar de não conhece-lo, máximo respeito a sua história com esse estilo de vida que nos move..

    Valeu! P&P é sempre um prazer, entrar aqui e me deparar com as notícias e excelente matérias reportadas por vocês.. elas fazem com que cada vez mais, eu venha conhecer e admirar o Skate de PE

    Máximo Respeito!!

    ass: Aldo Camelo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Valeuuuuu Aldo, é muito massa saber que estamos levando a história daqui pra o nordeste todo. O Picos e Pistas é um espaço democrático e é sempre um prazer divulgar os skatistas e eventos que rolam na Paraíba também.
      E já sabe né, colando em Pernambuco, vocês estão sempre em casa, são sempre bem vindos !!!

      Ass:HC

      Excluir
  12. Ele e Henrique Brayner sempre foram referências de um skate agressivo, punKKKK... Streeteiro clássico que quem é de Recife tem de conhecer sua história com o carrinho. Mais uma vez picos e pistas de parabéns....Vcs são a esperança para que essas históriAS nunca se percammmm...

    ResponderExcluir
  13. a 1 vez que vi o saulo doido foi na antyga pracinha de bv, com seus oliies estygado e uma velocidade incomparavel sem contar a base que ele ja possuia eu ainda etsva aprendendo a bater um o ollie e elel ja destruia, mo recefrencia do skate nrodestino nakela epoca, mo respeito por esse cara que alem de um bom skater e tanbem muinto gente fina...skate na veia vei saude e sorte senpre forte abraço do mano porcao.....pazzzzz skate na veia..vlw picos e pistas informaçao e incentyvo ao skate nordestino.

    ResponderExcluir
  14. É um cara que merece muito respeito!
    Saulão de doido não tem nada. Ele é gentil, atencioso, ajuda muitos sempre que pode!
    É meio que paizão da thurma que anda na aurora. A palavra dele tem peso onde quer que ele vá. Faço questão de dar um abraço sempre que o encontro por aeeee. Parsona ícone no mundo do carrinho, tal qual eu o entendo, onde muitos passam e poucos se destacam. Saulão não só se destaca pela intimidade e dedicação com o skate seja de longboard, street, mine, pista etc., e sim, pela característica mais importante presente nele que é dar norte a muitos guris ali na Aurora. Sempre foi atento, na dele, respeitando e tratando a todos em pé de igualdade e se um amigo o chamar para uma ssession, ele vai estar lá! Dono de uns dos Ollie air (livres) e Indy air mais altos que já vi nas mine ramp’s ele sempre foi (e acredito que ainda seja) imbatível no quesito não tenho medo de altura. Se o assunto for mine ramp, quarter pipe ou transição acreditem em mim, Saulão voa!
    Próxima sessão geriátrica ta aeeee prometendo na mine ...
    Vamos relembrar as sessions de street na pracinha e na mine lá BV .
    Abraço do amigo Morcegão.

    ResponderExcluir